Festival recebe workshop da ilustradora Marina Gonçalves

Por: Leo Bardini

Nas histórias em quadrinhos temos tanto a união da arte escrita, onde temos os diálogos e as onomatopeias, e principalmente a arte visual com o desenho dos personagens, cenários e balões de diálogo. O artista responsável por esta importante parte da criação de um quadrinho é o ilustrador, que junto com o roteirista dá vida para grandes histórias.

artistamarinaEste é o trabalho da Marina Gonçalves, 24 anos. A ilustradora está para se graduar em Artes Visuais pela Faculdade de Administração e Artes de Limeira (FAAL), e atualmente trabalha como freelancer, além de ser professora de desenho no Estúdio Corvo, de Rio Claro (SP). Ela foi responsável por ilustrar o livro sobre heavy metal “O Elo Perdido do Metal” de Wellington Damázio.

“Quando eu era menor, minha mãe costumava ler para mim com uma voz para cada personagem e eu achava aquilo fascinante. Depois me interessei por mangás e queria ler todos que via pela frente. Só depois, mais velha, que comecei a ler quadrinhos de Super Herói”.
Marina Gonçalves

Lagertha (série vikings)
Lagertha, da série “Vikings”

Atualmente Marina está na produção do livro “O Mistério Fedorento” da escritora Adriana Petronilho, o qual irão lançar como um projeto em um site de financiamento coletivo. No Festival Limeirense de Quadrinhos, a professora irá liderar o workshop “Como desenhar super-heróis e vilões quase invencíveis”, onde irá falar sobre técnicas de criação, e um pouco sobre proporções, anatomia, cores etc.

Para conferir alguns trabalhos desta incrível profissional, basta acessar seu canal no Youtube ou o seu portifólio e ainda sua página no Facebook . Abaixo uma pequena entrevista onde ela conta como começou seu envolvimento no mundo dos quadrinhos

Como começou sua paixão pelos quadrinhos? Qual o seu personagem favorito?
Com certeza com os quadrinhos da Turma da Mônica. Quando eu era menor, minha mãe costumava ler para mim com uma voz para cada personagem e eu achava aquilo fascinante. Depois me interessei por mangás e queria ler todos que via pela frente. Só depois, mais velha, que comecei a ler quadrinhos de Super Heróis. Muito difícil escolher apenas um personagem favorito, eu gosto muito do Visão, Feiticeira Escalate, do Rocket Raccoon, da Vampira…

Qual a dica que você dá para quem gosta de desenhar e quer fazer seus próprios quadrinhos?
Acredito que organizar o tempo seja muito importante, fazer tipo um cronograma. Ter hora para estudar, hora para fazer quadrinho, para obrigações, se divertir, para tudo. E principalmente estudar muito desenho. Quanto mais horas a pessoa se dedicar desenhando mais rápido ela atinge seu objetivo.

Qual a importância de eventos como o Festival Limeirense de Quadrinhos para a cultura geek no interior?
Nós, do interior, não temos tanto acesso a cultura geek, que não seja pela internet, como em São Paulo por exemplo, lá tem até bares especializados. Para nós é uma oportunidade para nos reunirem, trocar informações, e até quem não se interessa pelo assunto pode vir a gostar. Sem falar que dá a oportunidade para artistas do interior divulgar seus trabalhos, o que é bem legal.

Não percam o Festival Limeirense de Quadrinhos, e venham conferir o workshop da Marina Gonçalves, assim como diversas outras atrações preparadas especialmente para o público geek! O festival acontece nos dias 2 e 3 de julho a partir das 11h, na Oficina Cultural Carlos Gomes (Palacete Levy), que fica no Largo Boa Morte, 11 no Centro de Limeira (SP). Saiba como chegar.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s